Telemedicina: Guia sobre Teleconsulta no Brasil e no Mundo

A pandemia do novo coranavírus contribuiu enormemente para o crescimento da telemedicina não só no Brasil, mas no mundo todo.

Embora já tivesse sendo utilizada, principalmente ao longo do ano passado, as pessoas começaram a ter mais contato com consulta médica por telemedicina, muito por conta da quarentena.

E as avaliações tanto por parte dos pacientes quanto dos médicos mostram que é perfeitamente viável usar a telemedicina como aliada de uma consulta presencial.

Tanto que, em 2020, foram em torno de 250 mil consultas online, geralmente via videoconferência telemedicina, e cerca de 88% dos problemas foram resolvidos, segundo a Federação

Se você ainda não usa a telemedicina ou está com receio de marcar um atendimento online, preparamos aqui um guia sobre teleconsulta no Brasil e no mundo.

E assim, você vai conseguir tirar todas as suas dúvidas e provavelmente, não vai precisar adiar mais a consulta com seu médico, fazer seus exames e se necessário, seguir um tratamento.

O que é telemedicina?

A telemedicina se define como “uma forma de prática médica à distância utilizando tecnologias de informação e comunicação”.

Na prática, serve para que o paciente entre em contato com um profissional de saúde para acompanhar seu estado de saúde, solicitar exames, prescrever medicação, etc.

Através da plataforma telemedicina é possível fazer:

  • Teleconsulta: é a consulta online entre médico e paciente, mas também pode ser feita entre médicos, a fim de trocar informações, o que pode ajudar a definir um diagnóstico, avaliar o medicamento mais indicado e auxiliar no tratamento.
  • Teleassistência: é a assistência que o paciente recebe, seja em sua residência ou centro de saúde, de um médico que se comunica com outros profissionais remotamente.
  • Teleeducação: é voltada para capacitar profissionais de saúde que se encontram distantes dos grandes centros. Para isso, as ferramentas usadas são a videoconferência, palestras, aulas, treinamentos, e-learning, e assim, se preparam para lidar com qualquer situação médica.

Aqui, vale destacar uma das particularidades da telemedicina, que é a emissão de laudos à distância, que é uma das áreas que mais cresce no Brasil.

Basicamente, um exame pode ser realizado em qualquer lugar do país, e especialistas no ramo podem emitir o laudo, tudo via Internet.

Assim, o laudo pode ser feito pelos melhores médicos nas suas respectivas especialidades, e dependendo da urgência, pode ser entregue minutos após a realização do exame.

Onde surgiu a telemedicina?

A primeira vez que se ouviu falar em telemedicina, não da forma que conhecemos hoje, foi em 1910, em Londres, ano da invenção do estetoscópio eletrônico.

Nessa época, foram criados amplificadores, receptores e repetidores que possibilitavam a transmissão de sinais a uma distância de até 50 milhas, e assim, informações médicas.

Também existem relatos que apontam para o uso da telemedicina durante a Primeira e Segunda Guerra Mundial, onde os médicos, via rádio, entravam em contato com outros profissionais de saúde.

Outro fato que fez história ocorreu em 1960, onde os astronautas eram monitorados à distância, por meio de vídeos e transmissão de sinais respiratórios.

Já em 1967, outro marco da telemedicina no mundo foi quando o Hospital Geral de Massachusetts desenvolveu uma linha direta de comunicação com o aeroporto de Boston.

A finalidade era caso ocorresse alguma emergência no aeroporto, a equipe médica do hospital poderia dar todo o suporte.

Evolução da telemedicina

Na verdade, a evolução da telemedicina anda de mãos dadas com os avanços da tecnologia, e a partir dos anos 90, começou a ganhar mais destaque.

Nessa época, os computadores, a Internet e a criação de redes se tornaram parte do dia a dia das pessoas, e também passaram a fazer parte do dia a dia dos profissionais de saúde.

Em 1993, foi criada nos Estados Unidos a American Telemedicine Association – Associação Americana de Telemedicina -, uma organização que é referência mundial quando se trata de educação e pesquisa de telemedicina.

A partir daí, passou a organizar feiras e congressos, justamente para propagar o conceito de telemedicina pelo mundo.

Qual o objetivo da telemedicina?

O principal objetivo da telemedicina é monitorar pacientes, trocar informações com outros profissionais e analisar os resultados de diferentes exames.

E em razão da rapidez, os médicos podem tomar decisões com muito mais agilidade, que dependendo do caso, pode fazer toda a diferença no sucesso  do tratamento.

Há quem tenha receio de que o atendimento à distância acabe com a consulta presencial, e não é esse o objetivo.

O objetivo está em complementar o atendimento médico, e especialmente ajudar a superar os obstáculos decorrentes da distância física entre médico e paciente.

Qual a importância da telemedicina?

Segundo o médico Dr. Thiago Barbosa Caixeta, ortopedista especialista em ombro e cotovelo, a telemedicina é uma das boas heranças que a gente vai levar dessa pandemia, seja para atender pacientes de um lugar muito remoto, acompanhar o pós-operatório ou consulta de retorno, enfim, dar todo o suporte ao paciente.

Dessa forma, é importante na prevenção, diagnóstico, monitoramento e tratamento de doenças, e as contribuições da telemedicina são imensas.

Quando se trata especificamente da telemedicina covid, o atendimento à distância evita que as pessoas saiam de casa para buscar serviços de saúde.

E assim, diminui o risco de contaminação, o que acaba protegendo a saúde de todos.

Além disso, pacientes testados positivos podem receber todo o atendimento em casa, evitando assim a circulação do vírus.

No entanto, o médico vai poder acompanhar toda a evolução do quadro e caso considere necessário, fará o encaminhamento a um hospital.

Por outro lado, os profissionais de saúde também estarão protegidos, pois podem transmitir orientações e monitorar os pacientes sem entrar em contato físico.

Outro ponto a lembrar é que os atendimentos à distância podem ajudar a diminuir a sobrecarga nos sistemas de saúde, que durante a pandemia, estavam como super lotação.

Por que usar a telemedicina?

Para você entender por que usar a telemedicina, seria interessante saber quais as três principais frentes de atuação da telemedicina, que incluem:

  • Consultas: podem ser feitas à distância, que além de permitir o acesso a serviços de saúde, o paciente pode ouvir outros especialistas, o que garante um atendimento mais assertivo;
  • Assistência: os pacientes podem receber acompanhamento contínuo, que por meio de tecnologia remota, se torna muito mais acessível. Além disso, atua como medicina preventiva e monitoramento de pacientes com doenças crônicas, idosos e gestantes;
  • Educação: a partir do momento que profissionais de saúde podem trocar informações entre si, podem aprimorar suas competências, seja através de videoconferências, aulas online, fóruns, etc.

Qual a principal diferença entre telessaúde e telemedicina?

As pessoas geralmente confundem telessaúde com telemedicina, e embora ambas utilizem recursos tecnológicos para a promoção da saúde, não são a mesma coisa.

Telessaúde se refere à prestação de serviços de saúde remotamente, através de Tecnologia da Informação e Comunicação.

No entanto, é uma área que abrange um campo bem mais vasto, como teleeducação, redes de administração e gestão em saúde, telepidemiologia e telemedicina, ou seja, integram a promoção da saúde como um todo.

Por outro lado, a telemedicina é um dos braços da telessaúde, voltada para serviços de atendimentos médicos e especializados à distância, como consultas, monitoramento, emissão de laudos, etc.

Vantagens e desvantagens da telemedicina

Em primeiro lugar, saiba que as contribuições da telemedicina são enormes, em especial para atender pacientes que não têm acesso a sistema de saúde onde moram.

A teleconsulta médica acontece da mesma forma que uma consulta presencial, e reunimos aqui as principais vantagens e desvantagens da telemedicina.

Vantagens

  • Melhora da qualidade dos cuidados: a telemedicina impõe as mesmas exigências e o mesmo rigor em termos de qualidade dos cuidados médicos.
  • Mais facilidade de atendimento: as pessoas que necessitam de um acompanhamento mais regular por conta de doenças crônicas, podem consultar seu médico com mais facilidade.
  • Auxilia pessoas com problemas de mobilidade: pessoas que têm problemas para se deslocar ou que moram em regiões mais distantes, podem obter um aconselhamento médico.
  • Redução do tempo na sala de espera: não precisa ficar esperando em uma sala de espera onde os vírus podem circular. A plataforma telemedicina permite consultar um médico no conforto da sua casa, o que é eficaz para reduzir os riscos de contaminação.
  • Obter conselhos médicos rapidamente: milhares de pessoas querem consultar um médico para obter conselhos, mesmo se o problema de saúde não parecer grave. Ou querem apenas saber se está tudo bem com a sua saúde.
  • Colaboração entre profissionais: a telemedicina propicia a integração entre profissionais de saúde, troca de informações, o que auxilia na hora de tomar decisões.

Desvantagens

Comparando com as vantagens, as desvantagens da telemedicina são muito poucas. Talevz a principal limitação seja que nem todas as pessoas têm acesso às ferramentas de telemedicina, principalmente os idosos.

Por exemplo, geralmente os idosos são contam com um smartphone, tablet ou computador e precisam pedir ajuda a outras pessoas.

Embora isso não seja uma desvantagem, algumas pessoas preferem uma relação mais próxima com seus médicos, e a relação paciente/médico é muito importante, que pode durar anos para ser construída.

Além disso, algumas especialidades, como é o caso de ortopedia, em um primeiro momento, a telemedicina teria um caráter mais de orientação para direcionar a consulta presencial.

Isso porque é necessário fazer uma avaliação clínica, analisar a movimentação, o trofismo muscular, o que em um teleatendimento não é possível fazer com a mesma qualidade de uma consulta presencial.

Mas em uma consulta de retorno, para avaliar a eficácia de uma medicação, o resultado de um exame de imagem, a telemedicina é excelente.

Exame de telemedicina

Ainda existem dúvidas como funciona o exame de telemedicina, mas é importante saber que a telemedicina dispõe de ferramentas essenciais à sua prática.

Na verdade, é um conjunto de ferramentas, como dispositivos digitais, softwares, plataforma, Internet e claro, profissionais de saúde habilitados.

Por exemplo, vamos supor que um exame de diagnóstico por imagem seja realizado, como uma radiografia ou eletrocardiograma.

Para isso, é utilizado um equipamento que gera essas imagens, que são digitais, e depois o técnico responsável visualiza os resultados, e pode compartilhar as informações em uma plataforma de telemedicina.

Na plataforma, há o armazenamento de todos os dados do exame, conjuntamente com as informações sobre a história clínica do paciente.

O médico tem acesso a essa plataforma e a partir daí, elabora o laudo, o qual fica disponível para pessoas autorizadas e mesmo por pacientes.

O grande diferencial é que todo esse processo é muito rápido, o que só comprova a eficácia da telemedicina.

Prescrições médicas por telemedicina

Algumas pessoas têm muitas dúvidas de como funcionam as prescrições médicas por telemedicina.

Então, durante uma consulta virtual, o médico pode definir um diagnóstico, prescrever medicamentos, e também solicitar exames complementares.

As prescrições médicas por telemedicina são receitas médicas digitalizadas, mas é necessário ter uma assinatura digital para ter validade e serem aceitas em farmácias.

Uma vantagem é que evita mal-entendidos, pois muitas receitas são ilegíveis.

Em abril de 2020, o Conselho Federal de Medicina, o Instituto Nacional de Tecnologia de Informação e o Conselho Federal de Farmácia divulgaram uma plataforma para a emissão de receitas médicas e de atestados.

O processo é muito simples: existe um site validador de prescrições, totalmente gratuito, onde o médico pode baixar modelos de prescrições médicas e atestados e assinar digitalmente.

O que são ferramentas de telemedicina?

Com o avanço das tecnologias, houve uma melhora na qualidade de vida das pessoas, em especial na prevenção e controle de doenças, o que é possível através da telemedicina.

Uma das principais ferramentas são os dispositivos móveis de vídeo, desenvolvidos para auxiliar a consulta remota, além do compartilhamento de informações e gravação.

A tecnologia de vídeo viabiliza a comunicação entre profissionais de saúde, o que ajuda a prestar assistência a pacientes e quando há a necessidade de obter uma segunda opinião.

Em programas de educação para profissionais de saúde e treinamentos, as tecnologias de colaboração, telepresença e nuvem vêm sendo muito utilizadas.

Tudo isso mostra que a tecnologia da informação é chave no setor da telemedicina, assim como a transmissão por vídeo em alta qualidade, processamento  do Big Data e o crescimento significativo da Internet das Coisas.

O que é técnico em telemedicina

O técnico em telemedicina é o profissional responsável pela aplicação de tecnologias de telecomunicação e informação com o objetivo de fornecer atenção médica e informações a pacientes localizados em áreas remotas.

Cabe a ele também dar todo o suporte aos profissionais de saúde para utilizar as ferramentas de telemedicina, como videoconferência e treinamentos.

Já pode ser considerada a profissão do futuro, pois é ele que vai viabilizar o bom desempenho da telemedicina e telessaúde.

Para isso, precisa estar sempre atualizado e estar a par de todas as novidades sobre tecnologia da informação.

Telemedicina onde estudar

Para trabalhar em telemedicina, é necessário que o profissional faça um curso de graduação em cursos relacionados à tecnologia.

Por exemplo, telecomunicações, informática ou sistemas voltados para a área de saúde.

Hoje em dia, existem muitas instituições que ofertam a pós-graduação em Telemedicina, inclusive na modalidade EAD.

Geralmente, a especialização dura cerca de oito semanas, onde o aluno aprende a manusear os equipamentos, assim como conhecer os serviços de teleassistência e telediagnóstico.

Telemedicina no Brasil

A telemedicina no Brasil ganhou muita popularidade, e hoje, mais e mais pessoas utilizam as tecnologias para entrar em contato com um médico ou qualquer outro profissional de saúde.

Surgiu no início da década de 90, na época da expansão da Internet, acompanhando a tendência que já era uma realidade em outros países, com a adesão à videoconferência.

Em 2002, foram criadas as primeiras leis referentes à telemedicina, e vale ressaltar a criação do Conselho Brasileiro de Telemedicina e Telessaúde.

A cada dia, mais empresas de saúde, instituições e órgãos reguladores estão buscando uma forma de implementar a telemedicina, visto que é um meio eficaz de promoção da saúde e prevenção de várias doenças.

Resolução telemedicina

A aplicação da telemedicina atende às normas estabelecidas pela Associação Americana de Telemedicina, a qual é reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina – CFM.

No início, o Brasil seguia as regras e padrões definidos por organizações internacionais, no entanto, a partir de 2002, com a evolução da telemedicina, foram criadas resoluções e normas nacionais.

Talvez você possa estar se perguntando: telemedicina é legal?

As leis são as mesmas para quem tem uma empresa prestadora de serviço, ou seja, a obrigatoriedade de ter um médico responsável, devidamente registrado no Conselho Federal de Medicina.

No que diz respeito à resolução telemedicina propriamente dita, a Lei 1.643 é a que regulamenta os serviços de telemedicina no Brasil, que estabelece a necessidade de ter uma infraestrutura tecnológica adequada e estar de acordo com todas as normas técnicas do CFM.

Tais normas se referem ao manuseio, guarda, transmissão de dados, confidencialidade, privacidade e garantia do sigilo profissional.

Uma outra lei também foi criada, a de número 12.842/2013, que regulamenta que apenas médicos podem emitir laudos à distância.

Agora, em março de 2020, devido à pandemia do Covid-19, o Ministério da Saúde autorizou a teleorientação, telemonitoramento e teleinterconsulta.

Telemedicina nos Estados Unidos

A telemedicina já faz parte da cultura dos americanos, e representa atualmente a principal forma de atendimento médico.

Muitos médicos renomados são categóricos em afirmar que a pandemia da covid-19 acelerou a saúde digital nos EUA por cerca de 10 anos.

Além dia, independente da pandemia, a telemedicina oferece atendimento melhor, mais conveniente e com custo menor.

A tendência é que continue crescendo, mesmo após a pandemia, sendo uma maneira de fornecer acesso a mais pessoas de serviços de saúde.

Por exemplo, na Mayo Clinic, referência nos Estados Unidos, o uso de serviços digitais dispararam, com um aumento de 10.880% nas consultas por vídeo.

Países que usam telemedicina

Mesmo antes da pandemia, a telemedicina já era usada em vários países, mas apenas a partir de 1999, com a declaração de Tel Aviv publicada pela Associação Médica Mundial, que cada um criou suas próprias regras.

Na Europa, por exemplo, é muito utilizada em virtude do inverno rigoroso, onde as pessoas não conseguem se deslocar até um consultório ou clínica.

Só para você ter uma ideia, praticamente metade dos hospitais nos EUA conta com uma plataforma de telemedicina.

Fora os Estados Unidos, que ocupam o primeiro lugar em telemedicina, outros países bem desenvolvidos são:

  • China;
  • Inglaterra;
  • Canadá;
  • Espanha;
  • Portugal;
  • Alemanha.

Associação Brasileira de Telemedicina

A ABTms – Associação Brasileira de Telemedicina e Telessaúde reúne instituições, empresas, profissionais, professores, estudantes de graduação ou pós da área de saúde e tecnologia.

No desenvolvimento de suas atividades, a Associação tem como principais objetivos:

  • Congregar médicos, profissionais de saúde e outros, assim como entidades e organizações, que se interessam pela Telemedicina e Telessaúde;
  • Propor, analisar, estimular e lutar por normas técnicas, éticas e profissionais em Telemedicina e Telessaúde, junto aos órgãos competentes, a fim de aprimorar a prática no Brasil e no exterior;
  • Estimular pesquisas, estudos e cursos para o público em geral;
  • Aproximar seus membros através de simpósios, conferências e congressos.

Esses são apenas alguns objetivos, e lembrando que a ABTms é filiada à International Society for Telemedicine & eHealth, que visa potencializar a contribuição da Telemedicina e Telessaúde para o sistema de saúde brasileiro.

Na verdade, é preciso se associar e assim ter acesso a uma área reservada na plataforma online, com conteúdos exclusivos, notícias, eventos, etc.

Empresas de telemedicina no Brasil

Atualmente, e ainda mais com o aumento da procura por serviços de telemedicina, muitas empresas disponibilizam plataformas para profissionais autônomos, clínicas, estudantes.

De uma forma bem simples, uma empresa de telemedicina oferece serviços como teleconsulta, telediagnóstico, prontuário eletrônico em nuvem, telemonitoramento e segunda opinião qualificada.

Algumas atendem apenas uma área, enquanto outras trabalham com várias especialidades médicas, inclusive diferentes exames.

É possível também por meio da plataforma enviar os exames e receber os laudos médicos.

Além disso, devido ao uso de ferramentas digitais e softwares seguros, possibilitam um atendimento à distância eficaz e armazenamento seguro dos dados.

É essencial que a plataforma telemedicina ofereça sistemas de criptografia e que somente pessoas autorizadas possam acessar aos dados dos pacientes.

O ideal é escolher uma plataforma em que todo esse processo de atendimento, envio e recebimento de exames e laudos médicos seja dinâmico e rápido.

Telemedicina Unimed

Assim como outras operadoras de planos de saúde, a telemedicina unimed é disponibilizada a todos os seus beneficiários.

A teleconsulta, a qual pode ser feita via telefone ou vídeo, tem beneficiado milhares de usuários do plano, com cerca de 1,7 milhão de vidas.

As pessoas passam por uma teletriagem, e o profissional pode avaliar a necessidade de teleconsulta e direciona o paciente ao atendimento.

A Unimed formou uma equipe multidisciplinar para garantir a manutenção da qualidade de atendimento aos seus beneficiários.

Além de prestar assistência aos pacientes, auxilia os profissionais de saúde quanto ao uso da telemedicina e prática médica.

Telemedicina Amil

Já a telemedicina Amil é disponibilizada para todos seus clientes, onde podem conversar com um médico pelo celular, tablet ou computador.

Os profissionais ficam disponíveis 24 horas por dia, nos casos onde não é possível esperar.

Mas as consultas podem ser também agendadas. Basta marcar um dia e horário que o especialista estará à disposição.

As consultas são por videoconferência, e dependendo do caso, há a prescrição de medicamentos, solicitação de exames e atestados quando necessário.

Telemedicina Bradesco

Assim como as outras operadoras de planos de saúde, os beneficiários do Bradesco podem realizar consultas online em diversas especialidades médicas, 24 horas por dia.

Disponibiliza um aplicativo, onde o beneficiário poderá realizar consultas imediatas via vídeo, seja para casos de covid ou outra condição de saúde.

Na plataforma Saúde Digital, além do atendimento online, o paciente pode receber solicitação de exames, ser encaminhado para outro especialista, obter prescrição de medicamentos, tudo em formato digital.

Em todos os serviços de telemedicina disponibilizados pelos planos de saúde, o atendimento é realizado com total segurança, e o armazenamento de dados segue às exigências da Lei Geral de Proteção de Dados.

Telemedicina SUS

Em razão da carência de profissionais em muitas regiões do país, desde o ano 2000, o Ministério da Saúde passou a investir em telemedicina SUS.

Muitas ações foram implementadas, como a criação da Comissão Permanente de Telessaúde e o Comitê Executivo de Telessaúde, a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa, desenvolvendo o sistema de videoconferência em hospitais universitários.

Atualmente, existe um programa que disponibiliza serviços aos profissionais do SUS, que são:

  • Teleconsultoria;
  • Teleconsulta;
  • Telediagnóstico;
  • Teleeducação;
  • Segunda opinião.

Telemedicina Covid

Com o avanço da pandemia do novo coronavírus, a telemedicina covid foi uma das principais aliadas nesse momento de distanciamento social.

Através da telemedicina, mesmo em confinamento, as pessoas são atendidas por profissionais de saúde das mais variadas áreas, o que lhes dá muito mais segurança.

Assim que foi decretada a pandemia, o Conselho Federal de Medicina publicou um decreto em caráter emergencial, com medidas de regulamentação da telemedicina durante a pandemia do Covid-19.

Dessa forma, as pessoas têm acesso a serviços de saúde, como teleatendimentos, receber prescrições de medicamentos, solicitação de exames, enfim, o mesmo que aconteceria em uma consulta presencial.

Telemedicina CFM

A telemedicina CFM, com base na Resolução CFM número 1643/2002, consiste no exercício da medicina por meio de metodologias interativas de comunicação audiovisual e de dados.

Tem como principal objetivo fornecer assistência, educação e pesquisa em saúde.

No entanto, ainda um projeto de lei em tramitação na Câmara, que trata da regulamentação da telemedicina.

Donizetti Giamberardino, primeiro-vice-presidente do Conselho Federal de Medicina, esclareceu em março último que o CFM está revisando e publicará em breve a resolução permanente sobre a telemedicina.

Essa resolução vai estabelecer regras tanto para o Sistema Único de Saúde quanto para consultórios privados.

Telemedicina medicina do trabalho

Quando se trata de telemedicina medicina do trabalho, é necessário um protocolo de segurança ética e jurídica para resguardo do paciente, médico e empresa.

Para isso, são oferecidos a teleorientação, que é a declaração de saúde para intermediar a contratação ou adesão ao plano de saúde, e a teletriagem, que é a avaliação dos sintomas e avaliar se é preciso ou não o encaminhamento ao especialista.

Vale lembrar que a realização do telediagnóstico, com a emissão de laudos à distância, tem possibilitado que empresas, independentemente do tamanho, tornem esse processo mais dinâmico, menos oneroso e melhor, atuar na medicina preventiva do trabalhador.

Investir na medicina preventiva se reflete em uma melhor qualidade de vida do trabalhador e consequentemente, maior produtividade e motivação.

Doctoralia telemedicina

A doctoralia telemedicina é uma plataforma onde o paciente pode se consultar com qualquer especialista de forma remota.

O processo é muito simples, inclusive é possível encontrar opiniões de pacientes e filtrar os resultados para ver os especialistas disponíveis.

O paciente pode optar pela telemedicina via chat, videoconferência ou telefone, como se sentir mais confortável.

Assim como é uma característica da telemedicina, não importa qual seja a localização do paciente, ele pode obter ajuda de qualquer especialista.

Futuro da telemedicina no Brasil

Tomando como base a evolução da telemedicina até aqui, tudo indica que a telemedicina chegou para ficar.

É uma área que tem rompido barreiras, conectando não apenas pacientes e profissionais, mas especialistas e outros profissionais de saúde, tudo em prol do bem-estar e melhor saúde do paciente.

Dessa forma, mais e mais pessoas terão acesso a serviços de saúde, e se você pensar isso em termos de números, quantas vidas poderão ser salvas e quantas doenças evitadas?

Para aproveitar de todos os benefícios da telemedicina, é essencial fornecer as ferramentas para que esse atendimento ocorra, e talvez esse possa ser um desafio.

Mas, felizmente, a maioria dos planos de saúde disponibilizam aos seus beneficiários os recursos necessários para viabilizar o teleatendimento, e os resultados têm sido bastante satisfatórios.

No entanto, ainda existe um longo caminho a ser percorrido, para que a tecnologia seja mais presente e acessível, sendo necessário um maior incentivo às pesquisas e desenvolvimento de projetos.

Com esse guia sobre telemedicina, provavelmente você tirou todas as suas dúvidas e viu que as plataformas são 100% seguras e que pode contar com profissionais de saúde altamente capacitados.

Só em saber que você pode agendar uma teleconsulta em questão de minutos, sem precisar se deslocar até o consultório nem esperar em salas de espera, já vale super a pena!

No entanto, lembre-se que a telemedicina não substitui o atendimento presencial, ela é um complemento!

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *