5G e aplicativos de saúde – um experimento inédito

A tecnologia 5G está abrindo enormes oportunidades empresas de TI e marketing digital médico na área da saúde. Um experimento sem precedentes foi realizado hoje no Hospital Universitário de Rennes em parceria com a AMA, com Nokia, Orange e Philips: Simulando um procedimento cirúrgico em uma sala de cirurgia sem fio.

Segue-se um teste inicial realizado em setembro de 2021 de um diagnóstico remoto durante um procedimento médico de emergência em uma ambulância conectada. Possibilitados pelos recursos avançados desta rede de próxima geração, esses testes fazem parte do projeto de pesquisa europeu 5G-TOURS1, que está associado ao programa European Horizon 2020. Uma retrospectiva desses avanços promissores para melhorar a qualidade e a eficiência do atendimento ao paciente.

Experimentação 5G na sala TherA-Image do Hospital Universitário de Rennes: simulação de cirurgia cardíaca em um paciente “manequim eletrônico” monitorado por um cirurgião remoto

A sala de operação sem fio 5G

O desenvolvimento de técnicas minimamente invasivas em cirurgia requer o auxílio de diversos dispositivos de imagem, como equipamentos de aquisição e visualização. Esses dispositivos transmitem uma grande quantidade de dados, que quando enviados sem fio pelas redes atuais restringem seu uso.

A ausência de cabos de telecomunicações oferece vantagens consideráveis ​​no aumento da eficiência do atendimento aos pacientes e à equipe médica: Fácil reconfiguração do bloco para operações específicas e menos cabos para dificultar os movimentos dos profissionais e exigir desinfecção entre duas operações.

As equipes de pesquisa estão demonstrando como o 5G pode ajudar a melhorar as condições para realizar essas intervenções.

Durante uma experiência realizada na sala TherA-Image2 em Rennes Hospital Universitário, um paciente “manequim eletrônico3 foi submetido a um procedimento cardíaco realizado por Erwan Donal (cardiologista) seguido remotamente de Atenas pelo Dr. Alexandos Stefanidis.

Essa operação foi facilitada pela sobreposição de imagens de ultrassom e raios X retransmitidos graças ao 5G a 26 GHz por meio de um aplicativo de realidade aumentada, proporcionando maior conforto e eficiência à equipe médica e de enfermagem durante a operação.

O desafio deste experimento é obter uma perfeita sincronização das imagens para aumentar o desempenho operacional do atendimento médico. Qualquer atraso pode fazer com que os movimentos do praticante estejam no lugar errado.

Os sinais de ultrassom e raios X são mesclados pelo aplicativo de realidade aumentada e transmitidos pela rede 5G ©b<>com

Vários fluxos de vídeo sem fio, usando uma rede 5G experimental a 26 GHz, foram implementados para alcançar este resultado:

  • A transmissão de um fluxo de um scanner de ultrassom e uma câmera HD fixa para um aplicativo de realidade aumentada e uma tela de exibição para o cirurgião
  • Um fluxo do servidor que hospeda o aplicativo de realidade aumentada para a tela da sala de cirurgia
  • Um fluxo final dos óculos conectados do cirurgião para o computador de um colega remoto
Dispositivo de óculos embutido que permite ao cardiologista Erwan Donald trocar remotamente com um colega ©b<>com

O sucesso dessa cirurgia aprimorada por 5G encorajou as equipes do Hospital Universitário de Rennes e seus parceiros a continuar seus experimentos. Um dos próximos desafios técnicos é adaptar melhor os vários fluxos de vídeo às capacidades oferecidas pelo 5G, para obter uma qualidade de imagem ainda melhor.

Perícia remota em uma ambulância conectada, testada em setembro de 2021

Experiência remota em uma ambulância conectada ©b<>com

Para melhorar e otimizar o atendimento de um paciente em uma emergência com risco de vida fora do hospital, os médicos emergencistas muitas vezes precisam de aconselhamento médico ou mesmo de assistência em procedimentos terapêuticos prestados por um especialista que não está fisicamente presente.
As atuais redes de telecomunicações não permitem a transmissão rápida de dados de imagens médicas sem deteriorar sua qualidade. Com altíssimo throughput e baixa latência, o 5G a 26 GHz permite que esses dados sejam enviados em tempo real, sem perda de qualidade.

Em setembro de 2021, os sócios realizaram um teste em condições reais, a poucos quilómetros do Hospital Universitário de Rennes. O médico emergencista Tarik Cherfaoui realizou um ultrassom cardíaco em um paciente “manequim eletrônico”3 em uma ambulância, guiado remotamente pelas equipes do Hospital. O Dr. Erwan Donal, cardiologista, teve as imagens transmitidas em tempo real pelo scanner de ultrassom da ambulância graças ao fluxo de vídeo dos óculos conectados – desenvolvidos pela empresa AMA – com os quais o médico emergencista está equipado. Ele foi capaz de orientar o médico emergencista sobre a orientação da sonda e ajudá-lo a interpretar os resultados.

Essa dupla conectada forma então uma única equipe para prestar os primeiros socorros ao paciente o mais rápido possível.

Este diagnóstico preciso e ultrarrápido é um grande benefício para os pacientes. Ele permite que as equipes do hospital qualifiquem com precisão as necessidades do paciente antes mesmo de entrar no hospital. Também permite antecipar e otimizar seu processo de internação de forma consistente.

“O uso do XpertEye pelos serviços de emergência acelera o entendimento da situação, principalmente quando a avaliação visual é crítica: traumatologia, neurologia, dispneia, erupção cutânea etc. e HAD), já adotaram esta solução de realidade assistida. Tal como acontece com a maioria das inovações conectadas, a restrição continua sendo o acesso a uma rede confiável. O 5G garantirá fluxos de vídeo de melhor qualidade, a capacidade de transmitir vídeo em HD e a capacidade de trocar mais e mais dados com mais rapidez”, afirmou. Guillaume Campion, vice-presidente de produtos e parcerias da AMA.

“Trabalhamos em redes 5G e além desde o nosso início e, como parte desses experimentos em toda a Europa, trouxemos nossa solução principal de rede privada 5G chamada *Dome*. Esta primeira fase de testes foi um sucesso tanto a nível técnico, com a implementação conclusiva de uma rede experimental 5G privada no campus da b<>com, como a nível de aplicação onde as equipas médicas conseguiram transmitir imagens médicas (sonda de ultra-som e óculos) remotamente e sem perda de qualidade”, explica Mathieu Lagrange, Diretor de Redes e Segurança da b<>com.

“Os procedimentos médicos estão se tornando cada vez mais complexos e exigem o uso de vários dispositivos de imagem médica. A presença de cabos de conexão constitui um risco para os movimentos do pessoal e sua capacidade de se concentrar no que está fazendo. Eles também evitam que o equipamento seja transferido facilmente de uma sala para outra. O uso de 5G na sala de cirurgia oferece a promessa de eliminar esses cabos, mantendo a transmissão de sinal rápida e segura”, diz Professor Erwan Donal, cardiologista do Hospital Universitário de Rennes.

“O uso do 5G na saúde melhorará o acesso aos cuidados e à perícia médica em todo o país, fornecendo os meios para uma melhor assistência à saúde: desde o monitoramento da saúde para prevenção e detecção precoce, até as fases de diagnóstico e intervenção na ambulância em caso de acidente. incidente,” resume Dr. Tarik Cherfaoui, vice-chefe do departamento de Serviços de Emergência para Adultos do Hospital Universitário de Rennes.

“As equipes da Nokia estão muito orgulhosas de colaborar neste projeto para o qual montamos uma rede experimental privada 5G RAN na banda de frequência de 26 GHz. Este espectro, que oferece largura de banda inigualável, permitirá um aumento significativo nas taxas de transferência 5G, em níveis muito superiores aos de 3,4-3,8 GHz. Isso é particularmente interessante para aplicações médicas que exigem a troca de dados importantes em tempo real e de forma totalmente confiável” disse Olivier Audouin, Diretor de Parcerias de Pesquisa, Nokia Bell Labs.

“Estamos muito satisfeitos em colaborar em experimentos dessa escala na área médica que usam 5G para fornecer respostas concretas às necessidades dos profissionais, melhorando o monitoramento dos pacientes. O 5G aumentará em dez vezes o desenvolvimento de aplicativos para todos os setores de atividade”, diz Michaël Trabbia, Diretor de Tecnologia e Inovação, Orange.

Você pode gostar